Skip to content
PesquisaPesquisa

Técnicas de visualização para flipchart e quadro branco: Graphic Recording e Sketchnoting

Técnicas de visualização para flipchart e quadro branco: Graphic Recording e Sketchnoting

O nosso mundo é visual. Ouvir, cheirar, sentir e saborear constituem 17% da perceção sensorial das pessoas. E é através dos olhos que captamos uns impressionantes 83% das impressões sensoriais que o nosso cérebro processa. Até à invenção da escrita, a humanidade comunicava apenas através de imagens e histórias. Até à idade pré-escolar, continuamos a interagir, em grande medida, através de imagens. E enquanto adultos, muitos de nós precisam primeiro de ver uma informação para a poder compreender e captar.

Para compreender uma língua estrangeira, é necessário aprendê-la, mas as imagens permitem uma compreensão incrivelmente universal. Qualquer pessoa no mundo onde cresçam árvores e que veja uma árvore ou uma palmeira numa imagem compreenderá do que se trata. Já as palavras “árvore” ou “palmeira” apenas têm significado para a parte da humanidade que fale português e têm de ser aprendidas na escola.

A compreensão da imagem é global, mas da palavra não. Por esse motivo, a utilização de técnicas visuais na empresa, na escola ou mesmo em casa tem vindo a ganhar popularidade nos últimos anos.

Mas o que é ao certo a visualização?

O termo visualização designa a representação visual ou gráfica de informação abstrata, apresentando essa mesma informação numa forma mais fácil de compreender. A visualização reforça a expressão ao adicionar imagens simples.

Vantagens da visualização

  • As imagens são mais claras e mais fáceis de compreender
  • Os símbolos criam um denominador comum e diminuem o risco de mal-entendidos
  • As informações visualizadas são mais fáceis de reter
  • A visualização promove uma melhor compreensão das relações de causalidade
  • As informações visualizadas são mais emotivas, divertidas, criativas e colaborativas
  • A visualização promove o pensamento fora do vulgar

► Resumindo, a comunicação torna-se mais eficaz e eficiente quando são utilizadas visualizações. Assim torna-se rapidamente claro porque a visualização é importante e porque devem ser utilizadas técnicas de visualização nas aulas, no trabalho ou em casa.

Quais são as técnicas de visualização que existem?

Existem várias técnicas de visualização, como, por exemplo Graphic Recording e Sketchnoting. Muitas vezes, os limites e diferenças entre elas são vagos. Apresentamos, então, de seguida, uma distinção entre as duas técnicas.

O que é o Graphic Recording?

Graphic Recording é a tradução e documentação visual de apresentações em tempo real, destina-se a um público muito amplo e realiza-se, portanto, num formato maior.

O que é o Sketchnoting?

Sketchnoting é a criação de notas visualmente claras para utilização particular, realizando-se portanto num formato mais pequeno.
 

► Este folheto esclarece as noções básicas de ambas as técnicas de visualização, o Graphic Recording e o Sketchnoting:

Quickstart Guide

O medo de desenhar vs. O alfabeto visual

A maioria dos adultos com pouca prática de desenho tem receio de criar visualizações, uma vez que acham que não sabem desenhar. A boa notícia é que não é preciso saber desenhar para utilizar as técnicas de Graphic Recording ou Sketchnoting. Os símbolos de ambas as técnicas baseiam-se no alfabeto visual, que é composto por um número reduzido de formas simples: pontos, linhas, quadrados, triângulos e círculos. São formas que qualquer pessoa consegue desenhar.

Graphic Recording

Graphic Recording é a tradução e documentação visual simultânea de apresentações. Nesta secção explicamos como qualquer pessoa pode aplicar as noções básicas de Graphic Recording no seu trabalho diário no escritório, em flipcharts e quadros brancos. Embora haja várias diferenças significativas na utilização de flipcharts e quadros brancos, exitem também algumas semelhanças.

Dicas e noções básicas de Graphic Recording

Praticar a caligrafia

A técnica de Graphic Recording combina notas escritas com símbolos, imagens e elementos gráficos. Mesmo quando se trabalha com muitos desenhos, a escrita é sempre necessária, dado que a exatidão das palavras é insubstituível. Os erros mais frequentes são (a) letra demasiado pequena e (b) em cores demasiado claras. Se o texto tem de ser legível para pessoas que estão a 10 m de distância, há que tentar não escrever com uma largura inferior a três dedos.

Outro dos erros comuns é escrever apenas em letras maiúsculas. Isso não é recomendável, dado que reduz significativamente a legibilidade, pois todas as palavras passam a ter contornos semelhantes. Por isso, as letras maiúsculas devem ser utilizadas apenas para os títulos. 

Outro dos aspetos que permite uma melhor legibilidade são as hastes ascendentes e descendentes das letras, que devem ser pequenas. Por último, as palavras nas margens das páginas não devem ser comprimidas, para que a legibilidade se mantenha. Resumindo, uma letra de imprensa bem legível é a base para um bom flipchart ou quadro branco.

Ponta inclinada ou ponta redonda

Escrever e desenhar com marcadores de ponta redonda ou inclinada é uma questão de gosto pessoal. A ponta inclinada permite maior flexibilidade e variação na largura do traço, dando mais vida à escrita e aos desenhos.

Por outro lado, a ponta redonda permite um traço mais uniforme, o que é mais consistente e pode ser mais fácil para os principiantes.

O poder da organização

Quanto mais organizados forem um flipchart ou um quadro branco, mais legíveis se tornam. O poder da organização não deve ser subestimado, uma vez que uma apresentação bem organizada num flipchart ou quadro branco é mais fácil de ler, de compreender e de acompanhar.

Os conteúdos idênticos devem ser apresentados de forma idêntica, dado que são interpretados pelo público como sendo equivalentes. As listas e Bullet Points são imbatíveis em termos de clareza de expressão. Se forem decorados com ícones, tornam-se visualmente apelativos.

Utilizar cores e espaço em branco

A cor dá vida aos flipcharts e quadros brancos. Contudo, não deve ser utilizada em excesso: na escrita devem ser utilizadas apenas sempre cores escuras, como preto, azul e verde escuro. As cores claras e mais fortes chamam a atenção e, portanto, são eficazes para criar destaques de cor e para decorar.

O espaço em branco é um instrumento muito eficaz ao trabalhar com flipcharts e quadros brancos. Embora tenhamos a tendência para preencher ao máximos os flipcharts e quadros brancos, isso reduz significativamente a legibilidade. Os participantes ficarão gratos por haver espaços em branco, os quais também podem ser usados como elementos de configuração.

A preparação é essencial

Estar pessoalmente em frente a um grupo para apresentar um flipchart ou quadro branco pode ser uma situação de stress para os utilizadores com pouca prática: o tempo passa a correr e acabamos por nos atrapalhar. É possível reduzir esse nível de stress preparando com antecedência aquilo que for possível.

Por exemplo, recomenda-se criar um pequeno conjunto de símbolos-chave e praticar os mesmos até se conseguir aplicá-los sem hesitações. Além disso, é possível preparar elementos em papel em separado e fixá-los no flipchart ou no quadro branco no momento certo.

Os marcadores recomendados para Graphic Recording

Lumocolor® whiteboard marker 351Lumocolor® whiteboard marker 351Marcador de quadro branco com ponta bulletEstojo STAEDTLER com 4 Lumocolor marcadores de quadro-branco em cores sortidas
Lumocolor® whiteboard marker 351Lumocolor® whiteboard marker 351Marcador de quadro branco com ponta bulletEstojo STAEDTLER com 6 Lumocolor marcadores de quadro-branco em cores sortidas
PreviousNext

Dicas para melhorar as visualizações em flipchart

Utilizar o papel adequado

Ao utilizar visualizações em flipcharts, há pequenas medidas que podem trazer grandes melhorias, tal como a escolha do papel certo. Basicamente, é possível desenhar em qualquer tipo de papel, mas há tipos que produzem melhores resultados. Idealmente, as linhas ou o quadriculado deverão ser ténues, de modo a não interferirem com a escrita ou os desenhos. Se a impressão for muito escura, por vezes será melhor pôr a folhas com as linhas para trás, ou seja, virar o flipchart.

Utilizar efeitos de luz e sombra

O sombreado dá um toque especia a qualquer flipchart. Não dá muito trabalho mas tem um grande efeito: alguns traços soltos com o marcador cinzento para flipcharts dão um ar tridimensional aos desenhos, tornando-os mais dinâmicos. E efeitos de luz com o marcador amarelo para flipcharts tornam o desenho mais apelativo.

Dica: deve desenhar-se de modo a que a luz venha de cima, do lado esquerdo, e que as sombras, portanto, estejam diretamente por baixo, do lado direito.

O grande trunfo: desenhar caras no flipchart

Somos seres sociais e para nós nada é mais cativante do que uma cara. Num desenho, olhamos sempre primeiro para as caras. É possível representar várias emoções diferentes com poucos traços simples. Com alguma prática, os mais avançados em apresentações conseguem adicionar ao flipchart também diferentes penteados, barbas, óculos ou chapéus ou até utilizar diferentes formatos de cara para criar vários personagens.

Dicas para melhorar as visualizações no quadro branco

Não ter receio de errar

A grande vantagem das visualizações no quadro branco em relação ao flipchart é evidente: não há que ter receio de errar. A tinta no quadro branco seca em segundos e pode ser apagada logo de seguida com um pano húmido ou um apagador para quadro branco, permitindo fazer pequenas correcções ou mesmo começar de novo.

Utilizar as possibilidades de combinação

Outra vantagem do quadro branco são as possibilidades de cominação praticamente infinitas. O quadro branco pode ser combinado com ímanes, fita crepe e papel colorido, transformando-o num instrumento muito útil para brainstormings e workshops, sem impor imites à criatividade.

Sketchnoting

Sketchnoting são notas tradicionais com um toque especial: o Sketchnoting combina palavras escritas com imagens, símbolos ou pequenos desenhos. Com o Sketchnoting criamos uma espécie de mnemónicas que nos facilita recordarmos as coisas, associando uma informação a uma imagem. Podem parecer rabiscos, mas a apresentação visual da informação ajuda-nos a processar os factos de uma forma que a escrita não consegue fazer, aumentando significativamente a capacidade de memorização do acontecimento. É por este motivo que o Sketchnoting é particularmente útil na escola ou no trabalho. Por exemplo, em disciplinas como História ou Arte, em que é preciso reter factos sobre uma determinada pessoa ou local, a técnica de visualização torna-se muito importante em aula.

E, de facto, estudos revelaram que o Sketchnoting pode aumentar a capacidade de memorização até 65%*! Isto realça a importância do Sketchnoting para os estudantes, respondendo, mais uma vez, à pergunta da utilidade do Sketchnoting. No entanto, este tipo de notas reforçadas também podem ser simplesmente usadas em casa, por exemplo para decorar calendários ou receitas, dado que são uma atividade divertida.
(Fonte: *John Medina, Brain Rules)

Dicas e noções básicas de Sketchnoting

Tal como no Graphic Recording, o melhor do Sketchnoting é que não é preciso ser particularmente talentoso ou artístico: todos os símbolos do Sketchnoting são compostos pelas formas básicas (quadrado, triângulo, círculo e pontos e linhas simples). A melhor forma de iniciação ao Sketchnoting é aprender algumas noções básicas de Sketchnoting. Assim que estas tiverem sido devidamente compreendidas, o processo torna-se mais simples, rápido e divertido. Seguem-se algumas das noções básicas mais úteis:

Elementos de ligação

Estes elementos são utilizados em sketchnotes para representar as relações entre pensamentos ou objetos, à semelhança de um “Mind Map”. Podem ser representados de forma simples (linhas simples) ou mais elaborada (setas tridimensionais ou afins).

Bullet Points

As possibilidades de marcas de lista são praticamente infinitas, como, por exemplo, pontos, corações, estrelas ou até mesmo raios.

Balões de diálogo

São um método de Sketchnoting ideal para registar citações.

Quadros

Estas formas servem para delimitar diferentes pensamentos, ideias e citações.

Os marcadores recomendados para Sketchnoting

pigment liner 308pigment liner 308FinelinerCaixa STAEDTLER contendo 6 pigment liner em cores sortidas (amarelo, fúcsia, azul-claro, verde-claro, marrom-claro, cinza), espessura do traço de aprox. 0.5 mm
pigment liner 308pigment liner 308FinelinerCaixa STAEDTLER contendo 6 pigment liner, traços pretos sortidos (0.05/0.1/0.2/0.3/0.5/0.8)
triplus® textsurfer® 362 Ctriplus® textsurfer® 362 CMarca-texto em formato triangularCaixa STAEDTLER contendo 10 triplus textsurfer em cores sortidas
triplus® textsurfer® 362triplus® textsurfer® 362Marca-texto em formato triangularEstojo STAEDTLER com 4 marca-texto triplus textsurfer em cores sortidas
PreviousNext

Exemplo passo a passo de “Receita de Sketch”

Os marcadores de feltro triplus color podem ser usados para criar linhas e superfícies expressivas: desde títulos a quadros, setas e pontos de exclamação ► O passo 1 da Receita de Sketch deve ser feito com marcadores de feltro triplus color.

Os marcadores  pigment liner são mais adequados para todo o tipo de escrita e pintura nas Sketchnotes: a tinta pigmentada não esborrata quando é assinalada com marcadores fluorescentes ► Os passos 2 e 3 da Receita de Sketch podem ser feitos com os marcadores pigment liner.

Os marcadores triplus highlighter são ideais para criar efeitos de luz e sombra e também destaques de cor subtis ► O passo 4 da Receita Sketch pode ser feito com os marcadores triplus highlighter.

Descarrega aqui a  nossa cábula, onde podes encontrar exemplos relacionados com visualização e também modelos para Sketchnoting e Graphic Recording:

Quickstart Guide

Isto também pode interessar-lhe: